Brasil tem grande potencial eólico em alto mar, diz engenheiro naval Dario Giudice

Na opinião do engenheiro naval Dario Giudice, da italiana Saipem, que falou ao público do Brazil Windpower no workshop “Offshore Wind”, o mercado para o segmento está em plena expansão e muitos países estão tendo suas primeiras experiências agora. Índia, Turquia e a Costa Leste dos Estados Unidos são alguns exemplos mais recentes.

“O Brasil tem bom potencial para investir num futuro próximo, mas muitas pessoas dizem que não faria sentido, já que a geração onshore é muito mais barata. Acontece que o país possui recursos abundantes ao longo da costa, com fator de capacidade muito alto, o que pode acelerar a opção dos investidores. É o caso da Petrobras, que já atua no setor de óleo e gás e tem expertise em offshore”, comenta Giudice.

A tecnologia terá um papel fundamental para definir a velocidade destes investimentos, segundo o palestrante. A fundação flutuante para turbinas, recentemente patenteada, é um dos projetos pilotos em desenvolvimento que podem amenizar de forma significativa os custos. “Ainda é cedo para informar um percentual de redução, pois a Escócia acaba de inaugurar o primeiro projeto, mas só de acabar com a necessidade de uma fundação fixa, em alto mar, já conseguimos calcular que será vantajoso”, conclui o engenheiro da Saipem.