ENTREVISTA COM A ANFITRIÃ GE

profile.jpg
Ser a empresa anfitriã em 2019 é ainda mais especial, pois além de ser a 10º edição da BWP, também estamos comemorando o centenário da GE no Brasil neste ano.
— Mauricio Vieira, Diretor de Vendas da GE Renewable Energy - Wind para o Brasil

A GE foi anfitriã em 2018 e será novamente em 2019. Quais são as suas expectativas para o evento este ano?

R: Ser a empresa anfitriã em 2019 é ainda mais especial, pois além de ser a 10º edição da BWP, também estamos comemorando o centenário da GE no Brasil neste ano. Sempre buscamos contribuir com as importantes discussões para todo o setor e dar visibilidade para soluções que podem ajudar a impulsionar o mercado de energia eólica no Brasil.  Esperamos chegar ao final dos 3 dias do evento com resultados e definições  que ajudem a explorar o grande potencial do setor no país.

 

Qual mudança vocês consideram relevante para o setor de 2018 para 2019? O que isso impacta no seu negócio?

R:  2018 foi um ano de retomada para o setor eólico dentro no mercado de energia brasileiro, prioritário para os negócios da GE. Ano passado, anunciamos a expansão da nossa fábrica de pás para turbinas eólicas em Pernambuco, devido à crescente demanda por aerogeradores cada vez maiores, inclusive para a Cypress, a nossa maior turbina onshore, também lançada em 2018. Isso é reflexo da demanda provocada pela retomada dos leilões, que, felizmente para todo o mercado, segue mantida para 2019, 2020 e 2021. Os projetos vão exigir turbinas maiores com maior eficiência na captação dos ventos e soluções mais completas desde o início dos projetos. Estamos prontos para atender essas demandas.

 

Qual a importância desse evento para o desenvolvimento do setor no Brasil?

R: Acredito que reunir os principais players de um setor tão importante em eventos como a Brazil Windpower, trata-se de uma responsabilidade e oportunidade única para a conexão, discussão e troca de informações essenciais para o desenvolvimento do mercado de energia eólica.

 

Qual a visão da GE sobre o futuro da eólica no Brasil?

R: Nossa expectativa é bastante otimista, pois hoje a energia eólica já é uma fonte consolidada no setor elétrico brasileiro com mais de 15GW de capacidade instalada e entrega quase 10% de toda a energia consumida no país. Há um grande potencial de projetos a serem explorados e o Brasil tem ventos excelentes que sustentam essa crescente demanda. Além disso, felizmente temos visto a evolucao das discussões sobre  o uso de tecnologias híbridas, combinando, por exemplo, eólica, solar e até mesmo os sistemas de armazenamento de energia com baterias. Acreditamos que essas soluções  vão conferir maior eficiência e melhor uso dos ativos, tanto na geração quanto na transmissão da energia.

 

O que vocês estão trazendo de novidade para 2019?

R: Vamos destacar a ampliação do nosso portfólio, que tem como objetivo proporcionar o máximo de sinergia entre as soluções de geração a partir de fontes renováveis e também integrar soluções para conexão à Rede e sistemas híbridos. Também estamos reforçando a importância da nossa área de O&M, mercado que consideramos extremamente importante para a GE.  Além disso, vamos aproveitar a oportunidade para apresentar mais detalhes da Cypress, a maior turbina onshore da GE, capaz de alcançar 5.3 MW, e que já está em operação, sendo comercializada mundialmente. 

 

Sobre a GE:

Com quase 40.000 funcionários em mais de 80 países, a GE Renewable Energy é um negócio de U$ 15 bilhões que combina um dos mais abrangentes portfólios da indústria de energia renovável e oferece soluções completas para seus clientes, que exigem energia limpa, acessível e confiável. Combinando soluções para a geração de energia eólica onshore e offshore, aerogeradores, hidrelétricas, armazenamento de energia, usinas solares e transmissão e distribuição, além de oferecer serviços digitais e sistemas híbridos renováveis, a GE Renewable Energy já instalou mais de 400 GW de energia renovável limpa e equipou mais de 90% das concessionárias de energia em todo o mundo com suas soluções.